sábado, dezembro 23, 2006

Cristiane Nogueira

Como o ser humano aprende?

Encontrar uma resposta precisa e correta não é matéria fácil, o homem em sua condição de buscar a certeza através da ciência e do tempo reúne então várias teorias e hipóteses no firme propósito de obter essa razão. É basicamente por meio de três teorias da aprendizagem ou correntes filosóficas que podemos compreender o desenvolvimento da inteligência.
Na teoria empiristica o desenvolvimento intelectual é determinado pelo meio ambiente, ou seja, pela força do meio e não depende do sujeito, é de fora para dentro. Afirma-se que o homem não nasce inteligente, o desenrolar da inteligência estaria nos estímulos e não no ser humano. A pedagogia empírica enxerga o aluno submisso ao conteúdo que o professor ensina. O professor acredita na tese da transferência do conhecimento. O educando é passivo ao receber os conhecimentos, tornando-se um deposito do educador.
Já a teoria racionalista nos mostra o contrário da empírica, essa afirma que o desenvolvimento intelectual é determinado pelo sujeito e não pelo meio, ou seja, de dentro p fora, baseado nesse conceito nasce dotado de inteligência e com o passar do tempo reorganiza essa inteligência com a ajuda das reações do meio ambiente, e essa capacidade independe de estímulos. A pedagogia racionalista ou apriorista é difícil de viabilizar, portanto não é fácil de perceber sua presença na prática escolar. O professor passa a ser um auxilio para o aluno, um facilitador, intervindo o mínimo possível na construção do saber.
A teoria que aborda o construtivismo, o mesmo que interacionismo defende que o desenvolvimento intelectual se da apartir da relação do sujeito com o meio, se baseia em que o ser humano não nasce inteligente, mas não é completamente dependente da força do meio, analisa, organiza e constrói seu próprio conhecimento. O erro é fundante no aspecto de construção do conhecimento, seguindo um processo continuo de “fazer e refazer” aprende-se a acertar errando. A pedagogia construtivista é relacional. O professor acredita na capacidade do aluno de aprender apartir do ele já construiu fudindo-se com o conhecimento abordado. “O professor alem de ensinar também aprende ,e o aluno alem de aprender também ensina”.
A abordagem conexionista amplia essa visão, vem trazer o novo para o novo tempo, é a era do virtual, da informatização, novos meios que facilitam a busca do conhecimento, que vem crescendo paralelamente ao avanço tecnológico.
A aprendizagem é construção, em qualquer ambiente, é um processo ativo que conduz a transformação do homem.
Frente a esses novos conceitos, ressaltamos que é importante que na pratica pedagógica o professor conheça como ocorre a aprendizagem e ter claro sua posição, procurando criar novas estruturas, sempre apartir de um processo de desenvolvimento, pois compreendemos que o homem é um ser inacabado, que pode ir além de seus horizontes na eterna busca do conhecimento.





Referências Bibliográficas:



*Dourado, Emanuela O. C. Ampliando o olhar – As dinâmicas e as teorias do conhecimento, Uneb, 2004.

*BECKER, Fernando da ação a operação: o caminho da aprendizagem: J Piaget e Paulo Freire. 2 ed. Rio de Janeiro DPeA,1997.

*BCKER, Fernando, MARQUES, Tânia B. Iwasko. Aprendizagem humana: processo de construção. Pátio, Porto Alegre, ano 4, n. 15,nov.200/jan. 2001.

*Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 18, jan/jun.1994.




0 Comments:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home